terça-feira, 7 de agosto de 2012

A invenção da solidão

Paul Auster
Companhia das Letras - 194 páginas


"...e acontecia com frequência, que sua vida não parecia mais habitar o presente." (página 152)

A perda do pai provoca no autor uma avalanche de sentimentos, que ele precisa por pra fora. E com palavras.

É assim que Auster conta sobre o relacionamento com seu pai, a personalidade fechada dele e o isolamento dos últimos tempos:

"Destituído de paixão por uma coisa, por uma pessoa ou por uma ideia (...) ele conseguiu se manter longe da vida, evitar a imersão no âmago das coisas."

Em suas palavras, o pai foi distante, não fazia força pra se envolver e mal se emocionava (nem quando seu único neto nasceu).

"O mundo ricocheteava nele, se espatifava de encontro a ele, às vezes aderia a ele - mas nunca entrava."

O autor desnuda seu coração ao comentar situações vividas com o pai e escava sua memória nessa árdua tarefa.

Mas ele também mostra o outro lado, como pai do pequeno Daniel e seu distanciamento deste por causa da separação da mulher.

O livro traz percepções maravilhosas sobre relacionamentos, solidão, destino, vida, memória, pensamentos. Não apenas na visão do autor, mas à luz de grandes nomes como Proust, Pascal, Freud, Flaubert, entre outros.


Trata-se de uma leitura envolvente, dolorosa e necessária.

2 comentários:

  1. Olá , passei pela net encontrei o seu blog e o achei muito bom, li algumas coisas folhe-ei algumas postagens, gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns, e espero que continue se esforçando para sempre fazer o seu melhor, quando encontro bons blogs sempre fico mais um pouco meu nome é: António Batalha. Como sou um homem de Deus deixo-lhe a minha bênção. E que haja muita felicidade e saude em sua vida e em toda a sua casa.
    PS. Se desejar seguir o meu humilde blog,Peregrino E Servo, fique á vontade, eu vou retribuir.

    ResponderExcluir
  2. Antonio,
    Obrigada pela visita e pelo carinho!
    Fique à vontande para visitar o blog quando quiser. E...para comentar também :)

    Fica na paz.

    ResponderExcluir