sábado, 4 de julho de 2015

Bianca Toledo – Prova Viva de um Milagre

Bianca Toledo
Mundo Cristão - 192 páginas

"A força de um testemunho é verbo em forma de carne e não de letra." (página 154)

Ganhei esse livro de uma grande amiga que, aliás, já tinha me emprestado o maravilhoso "Milagres invisíveis" da mesma autora. Mais uma vez, fui edificada, e como fui!

Aqui, Bianca Toledo conta um pouco mais da sua vida antes de ser internada e, fala também, como foi que retomou sua rotina após a restauração completa da enfermidade, que a deixou 52 dias em coma.

Imobilidade total, ausência da fala, dependência total dos outros. De uma hora pra outra, Bianca se viu assim: presa num leito de hospital, dependente e sem perspectiva de melhora. 

Mas o povo de Deus orou, jejuou, clamou e o milagre aconteceu. Bianca não só sarou, como iniciou um ministério de restauração de vidas, de cura, de intercessão.

"Interceder é um ato de amor. Quando saímos da petição para a intercessão, transferimos nosso esforço em buscar aquilo de que precisamos para clamar pela necessidade do próximo." (pág. 60)

No último capítulo, ela fala de temas como sofrimento, medo, gratidão, solidão, perdão e mostra como Jesus pode atuar em cada área, assim como fez na vida dela.

"A única vontade da fé é devolver-nos a plenitude que ultrapassa a razão." (pág. 143)

O testemunho dessa mulher é encorajador, pois mostra que ela tinha tudo pra reclamar, ficar de mimimi, se vitimizar, mas escolheu crer naquele que tudo pode, naquele que restaura, naquele que sempre foi, é e será, na fonte de água viva, no Caminho, na Vida - Cristo.

Boa leitura!

"A especialidade de Deus é realizar coisas inéditas. Só ele faz novas todas as coisas - e o faz com um propósito." (pág. 139)

terça-feira, 23 de junho de 2015

A Teoria de Tudo

Jane Hawking
Editora Gente - 447 páginas

"Os cientistas estão preparados para responder à questão mecânica de como o universo e tudo nele, incluindo a vida, surgiu. Contudo, (...) os físicos não podem responder às perguntas por que o universo existe e, por que nós seres humanos estamos aqui para observá-lo..." (pág. 170)

Stephen Hawking, físico mundialmente conhecido, foi diagnosticado com esclerose lateral amiotrófica (conhecida como "ELA") aos 21 anos de idade. Na época, ele já conhecia Jane, sua futura esposa, e estava se destacando no meio acadêmico.
O namoro e o casamento ocorreram sob o peso do triste diagnóstico de que ele não viveria muito tempo. Porém, para surpresa de todos, ele não só sobreviveu, como contribuiu grandemente para descobertas fundamentais para a Física. 

Nem tudo foi fácil. Pelo contrário! Com o tempo, Stephen perdeu gradualmente os movimentos e a fala, exigindo mais cuidados e atenção. Graças a Jane, Stephen viajou mundo afora, fez palestras, deu aulas, escreveu o livro "Uma breve história no tempo" (o qual já vendeu mais de 25 milhões de exemplares),e teve amor, carinho e dedicação 24 horas por dia, 7 dias por semana. 

Ao deixar de lado seus projetos de estudos e trabalho, Jane criou 3 filhos e se dedicou ao bem estar físico e mental de seu marido temperamental.

"No melhor dos tempos, ele tinha pouco respeito pela inteligência dos outros. E agora, no pior dos tempos, estava inclinado a considerar todos idiotas." (página 351)

Apesar de ser ateu e de até compreender a postura dele, a sra Hawking se firmou na fé em Deus para conseguir levar a vida adiante.

"Stephen não hesitava em se declarar ateu (...) Era compreensível que, como cosmólogo que estuda as leis que governam o universo, ele não pudesse permitir que seus cálculos fossem atrapalhados por uma confessada crença na existência de um Deus criador, para além da confusão que sua doença deveria estar gerando em sua mente. (...) Eu precisava agarrar-me a qualquer fio de esperança que pudesse encontrar e manter a fé suficiente por nós dois..." (página 42)

O livro é cheio de detalhes e foi, certamente, fruto de um diário. Com grande sensibilidade e tato, Jane expõe sua vida e de Stephen, de uma forma encantadora. Choro, lágrimas, exaustão caminham lado a lado com a vitórias, alegrias e a genialidade de um dos maiores físicos de nosso século. 

Vale a pena a leitura!



quinta-feira, 4 de junho de 2015

Cristianismo puro e simples

C.S.Lewis (1898-1963)
Martins Fontes - 300 páginas

"As pessoas boas conhecem tanto o bem quanto o mal; as pessoas más não conhecem nenhum dos dois." (página 123)

Esse livro foi fruto dos programas de rádio de C.S.Lewis na BBC, numa época de guerra (entre 1942 e 1944). Seu objetivo não era converter as pessoas para a denominação da igreja que frequentava, mas explicar e defender sua fé em Jesus Cristo.

Sendo assim, ele fala da natureza humana, da crença e da conduta dos cristãos. Fala também da trindade divina, do tempo de Deus e o que significa ser uma nova criatura.

"Se descubro em mim um desejo que nenhuma experiência deste mundo pode satisfazer, a explicação mais provável é que fui criado para um outro mundo." (pág. 183)

"Todos os dias são "agora" aos olhos de Deus." (pág. 227)

"O Pai se compraz no Filho; o Filho, cheio de admiração, modela-se no Pai." (pág. 231)

Com simplicidade e com muitos exemplos próximos à realidade do ouvinte da época, ele fala sobre dor, perdas, amor, fé, esperança, pecado, perdão e outros temas relevantes e universais.

"O amor (...) é uma unidade profunda, mantida pela vontade e deliberadamente reforçada pelo hábito..." (pág. 144)

"nada faz o homem sentir-se tão superior aos outros quanto o fato de poder movê-los como soldadinhos de brinquedo." (pág. 164)

"Foi quando os cristãos deixaram de pensar no outro mundo que se tornaram tão incompetentes neste aqui." (pág. 179)

"O inimigo apela à nossa vaidade, preguiça e esnobismo intelectual..." (pág. 61)

"A fé (...) é a arte de se aferrar, apesar das mudanças de humor, àquilo que a razão já aceitou." (pág. 187)

É pra ler e se deleitar.

Boa leitura!

sábado, 30 de maio de 2015

As Crônicas de Olam: Luz e Sombras - Volume 1

Leandro Lima Wurlitzer
Editora Fiel - 542 páginas

"Todos nós escondemos muitas coisas. Especialmente, o que realmente somos." (Leannah para Ben, página 345)

Esse livro de ficção cristã caiu nas minhas mãos de um modo meio casual e, quando vi, estava devorando o 1º volume.
Aqui conhecemos um mundo antigo, com cidades habitadas por seres do bem e outras com seres do mal, cheio de alusões à cultura hebraica.

Ben é um jovem órfão, criado por Enosh, um velho lapidador de pedras shoham, que se vê no meio de uma grande aventura quando seu mestre some e deixa uma mensagem enigmática. Junto com seus amigos, Leannah e Adin, parte rumo ao desconhecido para salvar o velho e, de quebra, evitar que as trevas dominem o mundo em que vivem.

Esse mundo possui uma cidade importante, Olamir, que tem uma pedra shoham branca, única e poderosa, que garante a segurança de todos. O brilho de seu "olho" afasta os seres malignos, mas agora esse brilho está enfraquecendo e a única saída é tentar reverter isso, com as instruções do velho lapidador (latash).
Além dessa pedra especial, existem outras mais comuns, mas também especiais, que armazenam informações e permitem a comunicação entre as pessoas. Por isso, o papel de lapidador é restrito e de suma importância para todos e o sumiço de Enosh é muito preocupante.

Ben, seus amigos e o maior guerreiro de Olamir não tem outra saída e precisam agir rápido. Eles vão enfrentar grandes desafios, lutas, guerras, traições e irão se confrontar com dilemas morais e espirituais, além de terríveis seres malignos e demoníacos.

"Não deseje ser um herói para os outros, é peso demais para carregar." (Genver para Ben, página 452)

Vale a pena a leitura!

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Códice Constantino

Paulo L. Maier
Editora Vida - 400 páginas

"Assim eu lhes imploro um milagre dos dias atuais, ou seja, que, apesar de sermos 58 pessoas nesta sala, mantenhamos sigilo absoluto até estarmos prontos a anunciar a descoberta ao mundo." (página 264)

Jon e Shannon Weber fazem uma descoberta que pode abalar o mundo moderno e, em especial, o mundo cristão. 

Em uma biblioteca na Igreja Ortodoxa de São Tiago, em Pella (Jordânia), ela encontrou alguns manuscritos antigos, que marcavam as páginas de umas obras antigas. Depois, já na Grécia, o casal encontrou um códice abandonado em outra biblioteca, localizada no Patriarcado Ecumênico de Istambul. Ambos revelaram a existência de mais versículos no final do Evangelho de Marcos e...uma nova epístola de Atos, no caso 2º Atos! 

A descoberta de Istambul parece se tratar de umas das 50 cópias que Constantino, o Grande, encomendou a Eusébio de Cesaréia em 335 d.C. e que nunca foram encontradas.
Se isso, de fato, fosse comprovado, este novo códice teria uma importância tão grande quanto aos códices Sinaítico, Vaticano e Alexandrino.

No paralelo, Jon, que é professor de Harvard, na disciplina de Estudos sobre o Oriente Médio e fundador do Instituto de Estudos das Origens Cristãs em Cambridge, é desafiado por um respeitado líder muçulmano para um debate, após ter tido um problema de tradução de seu livro no Egito. O texto incorreto sugeria uma ofensa a Maomé e, mesmo tendo sido comprovado o erro de tradução, Jon teve que enfrentar a ira de radicais e também teve de aceitar esse debate.
Enquanto se prepara para o debate, Jon ainda arranja tempo para continuar suas pesquisas sobre a autenticidade das descobertas e atender à imprensa.

São duas tramas em uma, que envolvem o leitor do começo ao fim. Viagens, descobertas, traição, estudos, pesquisas e muita adrenalina estão presentes do começo ao fim. 

Quase que se pode dizer que Paul Maier é uma espécie de Dan Brown cristão, pois segue o estilo do Código da Vinci, apesar de ir para caminho oposto quando suas descobertas reforçam e legitimam os textos bíblicos.

Vale a pena a leitura!

terça-feira, 21 de abril de 2015

Antologia de Poetas Evangélicos

Ebenézer Soares Ferreira (Organizador)
Editora Ultimato - 144 páginas

"A vida é livro sagrado,
tem lições que nos convêm;
seja, pois, livro estudado:
leituras que façam bem."
(Antonio de Campos Gonçalves - página 22)

Amo poesia!
Amo me envolver com as palavras, com os sentimentos que ela produz em mim e fiquei feliz de saber que alguém reuniu poesias cristãs num livro.

São poesias de escritores antigos, conhecidos (como Giógia Júnior, Carlos Nejar, Affonso Romano de Sant´Anna) e de autores novos, contemporâneos (como Mateus Santiago). 

Falam de saudade, da solidão, da morte, da dor. Falam da igreja e do Criador. Falam do ser pai/mãe, falam de amor e falam de preces e orações. Enfim, falam da Vida, pra quem a conhece em Jesus.

Boa leitura!


sexta-feira, 3 de abril de 2015

a máquina de fazer espanhóis

valter hugo mãe
Cosac Naify - 256 páginas

"não a posso deixar aqui sozinha. não estaria sozinha. estaria sozinha de mim, que é a solidão que me interessa e a de que tenho medo." (página 14)

valter hugo é um escritor angolano, que optou por abolir as maiúsculas de sua obra por acreditar que todas as palavras são igualmente importantes e, por isso, merecem o mesmo tratamento. Portanto, ao ler a sua obra, você terá um certo estranhamento inicial, mas logo passa com o arrebatamento do teor dessas palavras.

Nesse livro, ele fala da terceira idade e fala também de morte. O que é envelhecer? Como as pessoas ao nosso redor enxergam os idosos e como eles se veem? 

"porque envelhecer é tornarmo-nos vulneráveis" (pág. 22)

Antonio Jorge da Silva é um barbeiro de 84 anos que perde sua esposa (Laura), num leito de hospital. Sua dor é narrada com sensibilidade e maestria pelo autor:

"estávamos escondidos de todos, eu e a minha mulher morta que não me diria mais nada, por mais insistente que fosse o meu desespero, a minha necessidade de respirar através do seu sorriso. eu e a minha mulher morta que se demitia de continuar a justificar-me a vida e que, abraçando-me como podia,  entregava-me tudo de uma só vez. e eu, incrível, deixava tudo de uma só vez ao cuidado nenhum do medo e recomeçava a gritar. (...) esse é o limite, a desumanidade de se perder quem não se pode perder.  foi como se me dissessem, senhor silva, vamos levar-lhes os olhos e perderá a voz, talvez lhe deixemos os pulmões, mas teremos de levar o coração, e lamentamos muito, não lhe será permitida qualquer felicidade de agora em diante." (pág. 21)

Sua filha, então, decide colocá-lo em um asilo:

"o lar da feliz idade, assim se chama o matadouro para onde fui metido." (pág. 51)

Ele vai para lá triste e decepcionado, se sentindo descartado no fim da vida, mas aos poucos faz amigos no lugar. Entre eles está o Esteves sem metafísica, personagem da poesia de Fernando Pessoa em A Tabacaria (*) que agora está para completar 100 anos! Há também o Anísio dos olhos que brilham, o outro Silva, o senhor Pereira, e os outros idosos, que perfazem sempre 93 internos, sem contar o Américo (funcionário), o doutor Bernardo e os demais funcionários.

"éramos velhos tolos a trazer da tolice uma promessa de vida qualquer." (pág. 76)

Antonio tem uma raiva dentro de si, e se perturba para dormir, já que vive tendo pesadelos com pássaros que lhe atacam. Não crê em Deus, nem nos santos, apesar de simpatizar com a imagem de Fátima, a qual chama de Mariazinha com as pombinhas, pela companhia que esta lhe faz. E tem a angústia como companheira constante.

O livro tem trechos duros, mas também tem o lado humano, da amizade e cumplicidade e do amor.

Vale a pena a leitura!




(*) Aquela que começa assim:
"Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo."
Leia na íntegra aqui!